8 minutos de leitura

Crianças de lares mais ricos tendem a pontuar mais alto em testes de desempenho acadêmico do que crianças de lares mais pobres. Isso não é tão chocante – um maior acesso à educação de qualidade, por exemplo, vai elevar essas pontuações. O que é surpreendente é que os pesquisadores identificaram o desenvolvimento da linguagem na […]

Guia de Pai

Crianças de lares mais ricos tendem a pontuar mais alto em testes de desempenho acadêmico do que crianças de lares mais pobres. Isso não é tão chocante – um maior acesso à educação de qualidade, por exemplo, vai elevar essas pontuações.

O que é surpreendente é que os pesquisadores identificaram o desenvolvimento da linguagem na primeira infância como um dos melhores preditores de sucesso escolar e uma das maiores fontes de desigualdade educacional.

Por quê? Tudo tem a ver com a exposição às palavras. As palavras certas. Novas pesquisas mostram que os tipos de conversas que pais e filhos têm – o diálogo que eles descobriram difere dependendo da posição socioeconômica – mudam o curso da carreira acadêmica de uma criança.

Veja como são essas conversas de alto desempenho:

1 – As falsas esperanças em ter mais palavras

Por muito tempo, os especialistas acreditavam que era a grande quantidade de palavras a que as crianças eram expostas que ditava as habilidades linguísticas e as conquistas acadêmicas posteriores.

No início da década de 1990, um pequeno estudo gerou a agora infame teoria do “intervalo de 30 milhões de palavras”, que afirmava que, em comparação com crianças de classe média, crianças que crescem em lares pobres ouviam 30 milhões de palavras a menos aos três anos de idade.

Portanto, ao serem expostas a tão poucas palavras, teorizou-se, o próprio vocabulário dessas crianças seria limitado, o que poderia prejudicar seu desempenho na escola.

Este não é o caso. De acordo com um grande número de pesquisas, o tipo de linguagem a que uma criança é exposta durante seus primeiros anos de vida, quando as estruturas vitais do cérebro estão se formando e as funções cognitivas estão se desenvolvendo, influencia as palavras que aprendem.


Ao avaliar grupos maiores de crianças e eliminar preconceitos raciais (duas críticas comuns contra o estudo de 30 milhões de palavras), os pesquisadores descobriram que os tipos de conversas que os pais têm com as crianças podem ser nitidamente divididos em grupos socioeconômicos.

De acordo com um estudo de 2017 do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, os pais que ganham menos tendem a ter menos conversas com seus filhos do que os que possuem maior renda.

Isso, por sua vez, pode impedir o desenvolvimento da linguagem, o que os pesquisadores demonstraram com exames de ressonância magnética feitos no cérebro de crianças de 4, 5 e 6 anos enquanto liam uma história.

Quanto mais interativo era o tempo da história, com conversa bidirecional entre a criança e o leitor, mais atividade havia nas regiões do cérebro das crianças que processam e desenvolvem a linguagem.

Com base em suas descobertas, os cientistas do MIT enfatizaram a importância de não apenas conversar com crianças pequenas, mas conversar com elas – algo que todos os pais têm a capacidade de fazer, independentemente do status socioeconômico.

Eles dizem que essas conversas interativas, por sua vez, farão mais pelas habilidades linguísticas de uma criança e possivelmente seu sucesso posterior na escola do que apenas jogar um monte de palavras bonitas nelas.

Outros pesquisadores descobriram mais maneiras pelas quais a frequência e o contexto das interações dos pais com as crianças afetam seu desenvolvimento cognitivo e de linguagem.

Katelyn Kurkul, Ed.D., professora de desenvolvimento infantil no Merrimack College, começou a investigar esse tópico enquanto estudante de pós-graduação na Universidade de Boston.

Especificamente, ela e sua equipe analisaram como pais de diferentes grupos socioeconômicos responderam às perguntas de seus filhos em idade pré-escolar e como essas explicações podem afetar a capacidade de aprendizado de seus filhos.

2 – Por que a linguagem mecanicista leva a crianças de alto desempenho

Em seu último estudo, que ainda está em processo de publicação, os pesquisadores fizeram com que crianças de 3 a 5 anos de lares de baixa e média realidade economica, ao lado de seus pais, brincassem com um conjunto de circuito para crianças destinado a inspirar curiosidade e nutrir habilidades de resolução de problemas.

Ao conectar todas as peças, uma lâmpada se acenderia. Naturalmente, as crianças tinham muitas perguntas para seus pais sobre esse novo objeto estranho.

“Avaliamos as respostas dos pais a perguntas como ‘Como funciona um interruptor?’, que uma criança de 3 anos poderia perguntar de maneira plausível”, diz Kurkul.

Quanto aos tipos de perguntas que as crianças faziam, não havia muita diferença entre os dois grupos socioeconômicos. “Eles eram muito semelhantes: busca de informações e questões causais”, diz Kurkul.

“As diferenças se resumem a como os pais responderam.” Especificamente, os pais de famílias mais ricas usaram o que os pesquisadores chamam de linguagem mecanicista, enquanto os pais de lares mais pobres não.

A linguagem mecanicista oferece detalhes e explicações, ajudando a criança a entender. Por exemplo, uma resposta mecanicista para “como funciona um switch?” poderia ser “O interruptor conecta o circuito.

No momento, o interruptor está aberto e, quando você o fecha, está mudando para girar e ele fecha o circuito e o alimenta até o fim.”Uma explicação não mecanicista, por outro lado, pode ser simplesmente “você liga e desliga”.

A linguagem mecanicista usada na primeira resposta – o tipo usado com mais frequência pelos pais mais ricos no estudo – fornece mais informações às crianças.

É importante ressaltar que esse processo também pode despertar mais perguntas das crianças, promovendo o tipo de conversas que beneficiam o desenvolvimento do cérebro.

Além de usar uma linguagem mais mecanicista, os pais de famílias mais ricas também eram mais propensos a fornecer respostas não circulares às perguntas de seus filhos, enquanto os pais de famílias mais pobres tendiam a dar respostas circulares.

As respostas circulares simplesmente reiteram as informações da pergunta original sem adicionar novas informações. Por exemplo, se uma criança pergunta onde o papai foi, uma resposta circular pode ser “papai saiu” – nada de novo ou informativo.

No entanto, uma explicação não circular seria “papai vai fazer compras para que possamos ter leite para beber e comida para comer” – muito mais informativo para a criança e muito mais propenso a incentivar o diálogo contínuo.

Outro exemplo: para a pergunta “Por que você está chorando?”, uma resposta circular pode ser “Os pais choram às vezes”. Embora seja também uma resposta curta, “Estou chorando porque estou triste” é um exemplo de linguagem mais mecanicista.


Kurkul diz que a capacidade dos pais em fornecer respostas não circulares e usar uma linguagem mecanicista pode depender de seus próprios conhecimentos e níveis de educação.

“Esses dois fatores influenciam muito o vocabulário dos pais e sua exposição a eles”, ressalta a doutora.

Assim, eles poderiam explicar por que os pais em famílias de baixa renda dependiam mais de respostas circulares – eles podem não possuir o vocabulário para fornecer respostas mais não circulares.

“Além disso, pais com origens socioeconômicas médias e altas são mais propensos a levar seus filhos a museus e expô-los a outros ambientes ricos em linguagem aos quais as crianças em lares de baixa socioeconomia podem não ter acesso”, acrescenta Kurkul.

3- Por que a exposição precoce ao idioma é importante

Pesquisas anteriores mostraram que, independentemente de qual grupo socioeconômico os pais pertençam, alguns enganam seus filhos em informações porque assumem que seus filhos não estão prontos para isso.

“Eles podem ser menos propensos a fornecer respostas sofisticadas porque acham que não importa o que eles dizem – eles acreditam que seu filho não precisa saber ou não entenderá neste momento”, diz Kurkul.

“Nossa pesquisa mostra que, prontidão de desenvolvimento à parte, em geral, as crianças anseiam por explicações de alta qualidade, mesmo que não necessariamente entendam todo o conteúdo”.

Em outras palavras, embora eles possam não entender totalmente o que você diz, eles provavelmente pegarão peças-chave e conectarão alguns pontos, fazendo com que suas explicações detalhadas valham a pena.

Por exemplo, se seu filho perguntar como funciona um circuito e você explicar da melhor maneira possível, “eles podem não entender todo o conceito, mas podem entender que, se todas as peças se conectarem, a lâmpada acenderá”. diz Kurkul.

“Mas se você não usasse linguagem mecanicista, eles provavelmente nem saberiam tanto.”

A maior lição de toda essa pesquisa é que não importa o nível de educação que você alcançou, que tipo de trabalho você tem ou quanto dinheiro você ganha, para melhor ajudar seu filho a aprender o idioma e outros conhecimentos que irão prepará-lo para escola, a qualidade do seu envolvimento e das conversas com eles é importante.

“Trata-se de qualidade, não de quantidade”, diz ela. “Concentre-se não apenas no que você está dizendo, mas também em como você está dizendo.

Quando seu filho fizer uma pergunta, leve dois ou três segundos para formar uma explicação em seu cérebro antes de cuspir algo. E não diga ‘porque eu disse’, pois isso não ajuda a criança a aprender ou vê você como um informante confiável.”

Além disso, se você não souber a resposta para uma pergunta, tente não dizer “não sei” porque você corre o risco de matar a curiosidade do seu filho. “Nesta era de informações sob demanda, os pais podem dizer ‘não sei… mas vamos pesquisar'”, diz Kurkul. “Então você e seu filho podem aprender juntos.”

Seja o primeiro a comentar!

Deixe um comentário

Nossos Parceiros