Lendo Agora
Mundo melior | O que minha filha pesquisou na internet

Eu adorava quando a Aurora tinha dois anos recém feitos e me explicava detalhadamente como caiu e se machucou na escola. “Dadadadadá dadá, dadá dadá dadadadaá”. E ela ia descrevendo, com mímica, como o colega esbarrou nela e ela caiu e machucou o joelho mas conseguiu se levantar. “Dadadá dadá!”, explicava, com a cara séria. Eu ouvia prestando bastante atenção, fazendo perguntas, pedindo mais detalhes. Era como estar no seriado CSI, só que contracenando com os Minions.

tumblr_l5o3iru8Bt1qzr04eo1_500

Quando a Anita tinha três anos e começou a compôr canções. Eram canções comerciais, inspiradas em propagandas que ela tinha visto. Um dia me chamou: “Pai, fiz uma música”. Respire fundo que lá vem o jingle. A letra era: “Minha bolsa, onde é que está? Minha casa, onde é que fica? Devassa, minha cerveja favorita”. Juro. Fiquei chocado e constrangido. Chocado porque o jingle era realmente bom, tinha coerência na confusão mental das primeiras frases e o produto anunciado. Constrangido porque provavelmente eu deveria parar de beber na frente das crianças. Elas chamam minha cerveja de “suco do papai”.

A Anita devia ter uns três anos quando eu expliquei pra ela que tínhamos que trancar a casa para que nenhum ladrão entrasse. Ela, então, disse: “Na minha opinião os ladrões deveriam entrar na nossa casa e, ao invés de roubar coisas, deixar presentes”. No mundo dela, o ladrão ideal seria o Papai Noel.

Pais estão sempre com algo nos bolsos dos casacos. Ou fraldas, ou bicos, ou bonequinhos de dinossauros. Já sinto saudade dessa época.

informatica

Há alguns anos, a Anita começou a usar meu computador. Fui checar o histórico de pesquisas no Google e uma das coisas que ela tinha pesquisado era: “mundo melior”.

VEJA TAMBÉM

Ela estava procurando por um mundo melhor.

Eu também estou, filha.

Imagino que é quando estamos juntos.

[adinserter block=”1″]

Conteúdo sob licença Creative Commons by nc-sa 2.5 br

Rolar para topo