O professor Scott Dittman, 44 anos, diz que não é necessariamente um aliado da causa LGBT, mas que se tornou amigo e confidente de dezenas de pessoas da comunidade.

Homem oferece Abraços de Pai Grátis em parada do gay e emociona participantes - Papo de Pai

Scott foi convidado por uma amiga, Denna, para ir à Pittsburgh Pride, a Parada LGBT da segunda maior cidade do estado americano da Pensilvânia. Ela é integrante da Free Mom Hugs (“Abraços de Mãe Grátis”, em tradução livre), uma organização que oferece auxílio financeiro e emocional a jovens expulsos de casa por conta de sua orientação sexual ou identidade de gênero.

“E eu disse, ‘tudo bem, eu vou’. Peguei minha camiseta de ‘Abraços de Pai Grátis’ e apenas pensava em colocar um sorriso no rosto das pessoas”, disse Scott.

O professor só não esperava o tamanho do efeito e repercussão que os seus abraços causariam nos participantes da Parada – e em si mesmo. A primeira pessoa a abraçá-lo foi esta jovem à direita.

Homem oferece Abraços de Pai Grátis em parada do gay e emociona participantes - Papo de Pai

“Eu me virei e ela estava parada na minha frente com lágrimas nos olhos”, disse Scott. “Ela simplesmente me envolveu com seus braços e me agradeceu repetidas vezes”, disse.

O segundo grande momento foi com o homem à esquerda. Ele disse a Scott que foi abandonado por seus pais quando se assumiu gay aos 19 anos. “Ele começou a soluçar de tanto chorar e depois nos agradeceu. Foi uma honra estar ao seu lado, mas ao mesmo tempo, muito triste.”

Com os abraços, o professor disse que sentiu diversos sentimentos naquele dia – alegria, felicidade, tristeza, raiva e até abandono.

“Posso afirmar que eles não tinham a oportunidade de sentir algo tão simples como o abraço de um pai há muito tempo”, disse Scott. “Isso partiu meu coração.”

Ao retornar para casa, impactado pelas histórias que ouviu e pelas pessoas que abraçou, Scott publicou um texto no Facebook sobre a sua experiência.

Homem oferece Abraços de Pai Grátis em parada do gay e emociona participantes - Papo de Pai

“Imaginem isso, pais. Imagine que seu filho se sinta tão rejeitado por vocês que ele se entrega nos braços de um completo estranho e soluça de tanto chorar só porque aquele estranho está vestindo uma camisa oferecendo abraços de pai”, escreveu ele.

“Pensem em o quão profunda é a sua dor. Tentem imaginar o quão profundas essas cicatrizes devem ser.”

 

Mas não parou por aí. Scott disse que recebeu mais de mil mensagens. Algumas de filhos que foram rejeitados pelos pais, outras dos próprios pais em busca de orientação.

“E se por acaso alguém conhecer essas pessoas, por favor, avise-as que elas podem vir até a mim a qualquer momento que precisarem de um pai substituto para conversar. Eu estarei lá.”


Com informações do Buzz Feed News

Fotos: Reprodução/Facebook @Pride LGBT


Quer ficar por dentro de tudo o que está rolando no Papo de Pai? Então conheça a nossa Mentoria, faça parte do nosso grupo e siga a gente nas redes sociais: Facebook | Instagram | Youtube | Twitter