6 minutos de leitura

Será que existem tipos de autismo? Não. O autismo não é mais dividido e nomeado por tipos.

Guia de Pai

Esse termo é usado, muitas vezes, para tornar acessível todas as informações sobre o transtorno, facilitando assim a busca, principalmente, das famílias.

O termo tipos de autismo também ficou conhecido por conta de antigas nomenclaturas e categorias que fazem parte de manuais e documentos classificatórios que já estão desatualizados; é neles que encontramos a classificação de tipos de autismo. 

Hoje em dia, o autismo é chamado de Transtorno de Espectro Autista (TEA), e essa nomenclatura foi feita em 2013 pelo documento DSM-5. Ele também pode ser classificado por níveis 1, 2 ou 3 (leve, moderado ou severo), segundo o CID-11

Mas calma que vamos falar sobre isso nesse texto e, dessa forma, ajudar você em sua jornada de descoberta! 

O que é autismo?

O autismo é um transtorno do neurodesenvolvimento que impacta habilidades sociais e outros comportamentos do indivíduo. Quando traz dificuldades na interação social, o transtorno afetando aspectos como:

  • Engajamento ativo;
  • Comunicação funcional;
  • Regulação emocional. 

Crianças e adultos com TEA podem apresentar diferentes níveis de necessidade de suporte. O que significa que, enquanto alguns têm facilidade de realizar qualquer atividade pessoal e da vida diária, outros precisam de apoio para as atividades básicas, como tomar banho, se vestir e se alimentar.

Quais os tipos de autismo?

De acordo com a CID-11 (Classificação Internacional de Doenças – 11a revisão), hoje o autismo é classificado por níveis (ou graus) de 1 a 3, que variam e refletem na necessidade de suporte que uma criança necessita para se desenvolver. 

  • Nível 1: levenecessidade de pouco apoio;

– 6A02.0 TEA sem Deficiência Intelectual (DI) e com leve ou nenhum prejuízo de linguagem funcional

– 6A02.1: TEA com DI e com leve ou nenhum prejuízo de linguagem funcional

  • Nível 2: moderadonecessidade moderada de apoio;

– 6A02.4: TEA sem DI e com ausência de linguagem funcional

– 6A02.5: TEA com DI e com ausência de linguagem funcional

  • Nível 3: severomuita necessidade de apoio substancial

– 6A02.4: TEA sem DI e com ausência de linguagem funcional

– 6A02.5: TEA com DI e com ausência de linguagem funcional

Vale lembrar que autismo leve, moderado ou severo, são terminologias que fazem parte de uma linguagem coloquial, para assim facilitar o entendimento das pessoas cuidadoras, e tornar acessível à informação para diferentes níveis de jornada e conhecimento. 

A CID-11, é um manual organizado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que tem como objetivo oferecer uma linguagem comum para que profissionais da saúde de especialidades e países diferentes possam se comunicar sobre transtornos, doenças, lesões e causas de mortalidade. Nele constam informações diagnósticas do Transtorno do Espectro do Autismo (TEA).

CID-10

Antes de ser reestruturada, a CID-11 também apresentava em sua classificação os tipos de autismo. Em sua 10ª edição, a anterior CID-10 (Classificação Internacional de Doenças – 10a revisão), o autismo se encontrava na classificação dos Transtornos Globais do Desenvolvimento (F84). 

Dessa forma, era possível que uma pessoa fosse diagnosticada com:

  • F84.0 – Autismo infantil
  • F84.1 – Autismo atípico
  • F84.2 – Síndrome de Rett
  • F84.3 – Outro transtorno desintegrativo da infância
  • F84.4 – Transtorno de hipercinesia associada a retardo mental e a movimentos estereotipados
  • F84.5 – Síndrome de Asperger
  • F84.8 – Outros transtornos globais do desenvolvimento
  • F84.9 – Transtornos globais não especificados do desenvolvimento

Com a mudança, o TEA passou a ser classificado de acordo com a necessidade de suporte de cada pessoa e a gravidade dos sintomas. 

É importante lembrar que a necessidade de suporte varia de acordo com as diferentes idades e também situações em que a criança está inserida, como, por exemplo, quando a família recebeu o diagnóstico, quando iniciou as terapias com os profissionais indicados e até mesmo quando a criança passou a apresentar os sinais de autismo

Manual DSM-5

Outro manual de classificação de doenças muito conhecido é o DSM-5 (Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais), utilizado especialmente para a descrição de quadros diagnósticos de saúde mental.

Foi a partir do DSM-5 que o autismo deixou de ser chamado de Transtorno Global de Desenvolvimento, e passou a ser chamado de Transtorno do Espectro do Autismo, além de ser  classificado como um dos Transtorno do Neurodesenvolvimento, o qual é caracterizado pelas dificuldades de comunicação e interação social e também os comportamentos restritos e repetitivos.

DSM-4 e os tipos de autismo

Ainda no DSM-4, manual anterior ao DSM-5 (que contém dados mais atualizados sobre o TEA), havia tipos de autismo, sendo divididos em: 

  • Autismo infantil;
  • Síndrome de Asperger;
  • Transtorno Desintegrativo da Infância;
  • Transtorno Invasivo de Desenvolvimento Sem Definição Específica.

Foi com a mudança do DSM-5 que o termo Síndrome de Asperger deixou de ser utilizado e, aqueles que se enquadraram anteriormente nesse diagnóstico, passaram a ser identificados como autistas com nível de necessidade de suporte 1, coloquialmente chamado de autismo leve.

Classificações do autismo

É importante lembrar que manuais diagnósticos e classificatórios, como a CID-11 e o DSM-5, são utilizados por profissionais para se comunicarem entre si e para direcionar algumas práticas, intervenções e cuidados necessários.

Existem critérios para compor o manual DSM-5, assim como atualizações de classificação do CID. Eles são atualizados de acordo com a evolução e pesquisa a respeito do TEA que, felizmente, tem ganhado cada vez mais espaço na ciência. 

Apesar do TEA possuir essas classificações, não quer dizer que exista um nível “melhor” do que o outro. Para todos os níveis de suporte, existe uma equipe de profissionais da fonoaudiologia, terapia ocupacional, psicoterapia (e muito mais!), que acolhem e intervém com terapias de acordo com as necessidades de cada criança, ela estando no nível leve, moderado ou severo. 

Conteúdo originalmente postado no blog da Genial Care
Formulário de interesse

Seja o primeiro a comentar!

Deixe um comentário

Nossos Parceiros