[ editar artigo]

O que significa ser um padrasto?

O que significa ser um padrasto?

Sempre achei esse termo meio estranho, confesso. Ser pai do filho de outra pessoa soava muito estranho, como eu que até um tempo atrás era livre e só me preocupava comigo mesmo. Poderia ser um padrasto, primeiramente, mas que se tornaria o famoso Paidrasto, assumindo responsabilidades. 

Educar, ensinar o que é certo e errado, dar bronca. Até mesmo coisas mais simples como saber que número de calçado, tamanho de roupa, brinquedos e brincadeiras.

Mas até aí tudo ok, pois assim como o casamento e o convívio, era a ordem natural das coisas. Estávamos vivendo sobre o mesmo teto, eu tinha virado a referência masculina dele, tanto para os meus gostos e jeitos como para ser um espelho. Ainda assim, tudo bem pra mim, sempre gostei de crianças então seria uma tarefa fácil.

Mas prática não funciona assim, é preciso muita paciência para cuidar e educar uma criança, que começava a conhecer a vida no auge dos seus 5 anos. 

Aquele que a todo momento vinha com o famoso “porque?” (umas 300 vezes ao dia). As birras, o ciúmes da mãe, a solicitação do tempo para brincar, as noites doentes, chorando sem parar.

Ouvi que alguns desistiram. Afinal, como trocar uma vida livre para cuidar do filho de outra pessoa ? Porque entre tantas mulheres no mundo você quis logo uma com filho ?

Não me importei com esses julgamentos, me joguei e abracei tudo que ela trazia consigo; historia, bagagens e o filho.

No inicio era estranho, mas amor, quando nasce de forma tão pura e genuína, fica. E foi exatamente o que aconteceu. 

Eu não era apenas a presença masculina pra ele, aquele ser humaninho de 5 pra 6 anos tinha entrado no meu coração e, como quem fizesse birra, dissesse “daqui não saio nunca mais”. Comecei a vê-lo como parte de mim, não existia mais o "fazer algo por mim", era tudo por ele, era tudo pensando se ele ficaria orgulhoso, se aprovaria, se ficaria feliz.

Estamos a 4 anos ligados  por algo maior, não é o sangue que nos conecta, não são os gostos iguais que nos tornaram íntimos. Não foram as conversas que nos tornaram amigos. Foi o amor que nasceu de forma natural e espontânea, sem forçarmos nada, apenas sendo nós mesmos, com cumplicidade, com verdade.

Hoje ele é meu filho e eu sou o pai dele, não nos vemos de outra forma, quando nos falamos por telefone. A primeira coisa que ouço é “Oi papai” e isso é tão gratificante, tão lindo, que enche meu coração de paz e alegria.

Achei que seria um péssimo padrasto, e quem dirá um paidrasto, mas hoje me considero pai. Posso não ser o melhor, sou falho, mas amo como se tivesse contribuído para a geração dele, no ventre da mãe. Hoje me sinto feliz por tê-lo como filho, me orgulho demais da criança que ele vem se tornando, ele é espetacular. O amor desse pequeno ser me tornou PAI.

 

 

Papo de Pai
Gilmar Sandes
Gilmar Sandes Seguir

11 anos na área Contábil/Fiscal, me tornei paidrasto a quase 5 anos e descobri um amor inimaginável, os melhores momentos vivo com ele, viajar, ler e praticar esportes são os hobbies preferidos.

Ler conteúdo completo
Indicados para você