[ editar artigo]

O cabelo de menino

O cabelo de menino

Eu confesso que tenho dificuldades de entender como algumas pessoas, em pleno 2020, ainda veem problemas com o comprimento de cabelo dos meninos.

O Gael sempre teve esse cabelão (lindo, diga-se de passagem) e isso nunca foi um problema para nós, muito menos para ele.

O próprio Dante foi cabeludo também, mas infelizmente um surto de piolho na escola dele nos fez dar adeus aos lindos cachinhos, que depois nunca mais cresceram.⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
O Dante era confundido bastante com meninas, Gael também, e isso nunca nos irritou, por dois motivos:⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
1- não achamos que chamar alguém de menina ou mulher seja uma ofensa⠀⠀⠀

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
2- ninguém tem obrigação de adivinhar o gênero de outra pessoa apenas olhando. Na verdade, ninguém DEVERIA fazer isso, já que quem diz o gênero é a própria pessoa.⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Lembro, inclusive, do Gael ouvir alguns comentários bem violentos de pais de amigos dizendo “vou cortar esse cabelo” e, todas as vezes, ele se encolhia no meu colo e eu dizia “não vai não, né, filho? Só se você quiser”.⠀⠀⠀

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Mas enfim, minha intenção aqui nesse post é de reforçar que ao criarmos os nossos filhos livres de estereótipos, menores são as chances de eles se tornarem adultos preconceituosos.

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Cabelo é só cabelo. Roupa é só roupa. Brinquedo é só brinquedo.⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Nada disso define o gênero de uma criança, nem de um adulto. Na real, nem a genitália define, mas isso é uma oooooutra conversa mais longa.

Papo de Pai
Thiago Queiroz
Thiago Queiroz Seguir

Pai de três, criador do portal Paizinho Vírgula e de conteúdos em texto, vídeo e podcast sobre paternidade, criação com afeto e infância.

Ler conteúdo completo
Indicados para você