[ editar artigo]

Novos relacionamentos pós divórcio e a coeducação: Construindo relações saudáveis para os filhos!

Novos relacionamentos pós divórcio e a coeducação: Construindo relações saudáveis para os filhos!

Não importa há quanto tempo alguém esteja separado ou divorciado, pode ser desafiador enfrentar uma realidade em que o ex-cônjuge tenha uma nova pessoa. Por outro lado, também pode ser difícil para essa nova pessoa, lidar com a realidade de que seu(sua) parceiro(a) terá que continuar vendo e se comunicando com um ex por conta dos filhos. Muitos casais, dissolvidos e formados pós divórcio não apenas enfrentam essa realidade, mas também precisam encontrar uma maneira de fazê-las dar certo.

Qualquer nova pessoa entrando na vida de um filho, pode não parecer, mas é delicadamente importante, principalmente tratando-se do psicológico deles, pois poderá desempenhar um papel proeminente na sua vida desde o momento em que passa a fazer parte dela e principalmente no futuro. Se essa nova pessoa está crescendo afetivamente na sua vida, certamente será uma parte significativa ou definitiva no seu dia a dia e do seu filho também, por isso é importante encontrar uma maneira positiva de abordar a co-parentalidade com essa pessoa nesse novo sistema familiar.

Novos parceiros devem somar

Você e seu(sua) ex cônjuge sempre serão os pais de seus filhos, isso jamais se alterará.  À medida que novas pessoas entram em suas vidas e se aproximam dos seus filhos e se envolvem mais na rotina diária deles, é mais provável que encontrem um lugar no coração deles também. Por mais confuso que possa parecer, novas pessoas desempenham um papel decisivo na vida dos seus filhos e podem realmente ser um bônus para toda a família.

Poder saber se seus filhos se sentem afetuosos e receptivos com essa nova pessoa também poderá ser um período de sensibilidade e preocupação, principalmente se você tiver sentimentos pessoais confusos em relação à situação. A dica é não desencorajar o afeto dos seus filhos por essas novas pessoas e nem permitir que isso o faça se sentir mal. Se você reconhecer que essas novas pessoas possuem os melhorer interesses em relação aos seus filhos no coração, apoie esse relacionamento positivo. É benéfico emocionalmente para eles, que tenham todos os sistemas de apoio saudáveis ​​em sua vida, especialmente quando você não estiver presente, como por exemplo, quando ele for passar seus dias com o outro genitor e seu(sua) novo(a) parceiro(a).

Lidando com questões da nova parentalidade em família

 O seu novo(a) parceiro(a) e do(a) ex cônjuge podem desempenhar um papel significativo como cuidador e educador de seu filho em algum momento ou situação. Você então descobrirá que está realmente se formando um novo sistema familiar e, nisso acompanhar e gerir as expectativas será fundamental .

Embora a responsabilidade de tomar decisões importantes em relação à educação dos filhos deva permanecer entre você e seu(sua) ex cônjuge, seus respectivos parceiros poderão desempenhar algum papel neste processo. Novos parceiros poderão participar também construtivamente e adicionar percepções e pontos que ajudem você e seu(sua) ex cônjuge a tomar as melhores decisões possíveis e defender os melhores interesses dos seus filhos, especialmente se eles fizerem parte da vida deles por um período significativo de tempo. Depois que você e seu(sua) ex cônjuge tomarem uma decisão que tenha impacto sobre seus filhos, certifiquem-se de informar seus(suas) parceiros(as) para que eles fiquem cientes e possam ajudar a manter suas decisões.

Seja Respeitoso

A co-parentalidade deve ser vista como uma parceria, não uma batalha ou disputa contínua. Mantenham as necessidades dos seus filhos no coração e certifiquem-se de que seus(suas) parceiros(as) façam o mesmo. Se nada estiver acontecendo que prove o contrário, confie que seu(sua) ex cônjuge e seu(sua)  parceiro(a) estejam fazendo a mesma coisa.

Mesmo que o novo(a) parceiro(a) do seu(sua) ex cônjuge não seja sua pessoa favorita, fale educadamente sobre ele(a) quando estiverem perto dos seus filhos. Mais importante ainda, não fale mal de seu(sua) ex cônjuge ou do novo(a) parceiro(a) dele na frente dos seus filhos. Pode ser confuso para as crianças ouvir você criticar o(a) parceiro(a) do outro, fazendo-as sentir que devem escolher um lado ou que não precisam ouvir essa pessoa.

Faça o possível para ser cordial e gentil quando se tratar do seu ex cônjuge e do  parceiro(a) dele. Se você tiver dificuldades na qualidade de relacionamento com seu ex cônjuge ou seu(sua) parceiro(a) na fase de adaptação desse novo sistema familiar, você deve procurar com um profissional de psicologia ou até um advogado de direito de família.

Abordar a tarefa de ser co-parental com um novo(a) parceiro(a) pode ter seus desafios, mas também pode ser gratificante para toda a família. Estas pessoas, que com todo carinho, dedicarão seu tempo e energia para cuidar dos filhos de vocês, devem desejar apenas o que é melhor para eles. Se eles já demonstraram isso para você, tente permanecer confiante de que continuarão a fazê-lo por seus filhos também

Papo de Pai
Riccardo Velasco
Riccardo Velasco Seguir

Me interessei sobre paternidade da maneira mais comum: Tive uma filha! A Manu. Sou pai desde a raiz à flor da pele. Do exato momento da concepção, até quando meus olhos fecharem definitivamente. Mas nesse intervalo, farei o melhor como pai.

Ler conteúdo completo
Indicados para você