[ editar artigo]

"Homeschooling": os desafios da educação em casa

Estamos há 4 meses em quarentena e um dos grandes desafio das famílias é a educação formal das crianças. Já se passaram 4 meses de incertezas, inseguranças e muitas dúvidas em como dar continuidade a educação de nossos pequeninos e pequeninas.

Segundo o calendário oficial da Secretaria Municipal de Educação de São Paulo temos a "projeção de volta as aulas, condicionada às fases do Plano São Paulo, prevista para 08/09/20, isso caso seja atendidos todos os critérios estabelecidos" (link do PROTOCOLO VOLTA ÀS AULAS no final do texto); ou seja é muito difícil que todos voltem as aulas ainda esse ano (e se tudo der certo, voltaremos com uma capacidade de 30%, chegando a 100% realmente só no ano que vem).

Portanto, ainda temos, no minimo, mais dois meses de Homeschooling. Sendo assim o que podemos fazer para não surtarmos e darmos conta da casa, do trabalho e da educação formal de nossas crianças?

 

  1. Não somos professores!
    A primeira coisa que temos que ter noção é que NÃO somos professores formados e treinados para tal função. Não fizemos licenciatura, não aprendemos a dar aulas e muito menos a faze-lo por EAD (Educação a Distância). Portanto não se desespere se tudo der errado! Todos nós estamos no mesmo barco e aprendendo a lidar com essa nova situação de vida.
     
  2. Os professores não são Youtubers!
    Não cobre dos professores que eles também saibam lidar naturalmente com tudo isso! Os professores foram treinados e educados para dar aulas presenciais, apenas uma pequena parte da população de professores são pós-graduados em Educação a distancia. A grande maioria dos professores nunca tive contato com o mundo digital, principalmente na escola pública, onde cerca de 74% das crianças estão inseridas.

Dito isso, o que podemos fazer para melhorar essa situação:

  1. Tenha um espaço para os estudos.
    Organize um espaço em sua casa para os estudos, longe das telas e das distrações. Prepare junto com as crianças esse espaço para que eles se sintam acolhidos, confortável e pertencentes a aquele espaço. Na escola isso era feito e funcionava! 
     
  2. Crie um cronograma familiar.
    Não há a necessidade desse cronograma ser físico em papel, pode apenas ser um combinado com a criança e a família toda. Estabeleça  um horário para os estudos e tente conciliar esse horário com o seu horário livre, para que você possa sentar e se dedicar a elas integralmente. Sendo assim escolha o melhor horário para todos.
     
  3. Paradas são necessárias.
    Nas escolas as crianças não passam mais de 45 a 60 minutos em aula direto; eles trocam de atividade, de professor, de local, partem para o recreio, dentre outras pausas. Portanto evite longos períodos de tele-aulas ou de estudos diretos. Pense na saúde mental dos pequeninos e pequeninas, não será um ano que irá destruir a vida educacional de seus filhos e filhas.


     
  4. Sem distrações eletrônicas! Isso vale pra você também!
    Foque nos estudos e tente não usar o celular enquanto acompanha os estudos das crianças. As telas distraem as crianças mesmo quando estão sendo utilizadas pelos adultos. Tente imaginar como o professor de seu filho se comportaria durante o período de aula.
     
  5. Cada criança tem um ritmo.
    O aprendizado é único de cada criança, cada um tem seu tempo e sua dinâmica de aprendizado, logo: Dê tempo ao tempo! Lembrem-se que eles também estão sofrendo com a ausência da escola, dos amigos, do ambiente escolar e da distancia dos familiares. Tente se colocar no lugar deles em meio a tudo isso!
     
  6. Você não é Super-herói!
    Sabendo disso pense também em você mesmo. RELAXE, tire um tempo para você. Leia um livro de gente grande! Medite! Crie um hobby! Namore, enfim, divirta-se e desfoque dos estudos.

Isso tudo pode ser muito difícil no começo, mas tenho certeza que nos sairemos bem em mais essa empreitada. Por mais que você não seja um Doutor em educação, você é Doutor em seu filho. Aproveite esse tempo para ensinar outras habilidade seus filhos e filhas, foque no afeto, na empatia e no desenvolvimento emocional das crianças e principalmente nas sua. Você irá precisar!

 

 

Papo de Pai
Alexandre Colombo
Alexandre Colombo Seguir

Biólogo, educador e Pai de dois. Propagador da paternidade Ativa e da educação com apego.

Ler matéria completa
Indicados para você