[ editar artigo]

Educar um garoto forte é diferente de criar um valentão egoísta

Educar um garoto forte é diferente de criar um valentão egoísta

Homens, em geral, compreensivelmente, não querem criar filhos que evitem o confronto. As crianças que não sabem se defender, se tornam indivíduos que se desculpam constantemente ou não sabem quem são. Então, como um pai pode ajudar seu pequeno a ter autoconfiança , força física e mental e ter um forte senso de si mesmo? Bem, não é tão fácil quanto ensinar o ABC. 

Mas isso pode e deve ser feito, diz o psicólogo infantil Gene Beresin, que dirige o Clay Center for Young Healthy Minds, no Massachusetts General Hospital.

“Crianças precisam tolerar mudanças emocionais . De notas ruins a sucessos, a força exige controle emocional e equilíbrio de emoções ”, diz ele. Mas os pais não podem se esforçar muito na lição de força. É importante ensinar a força para as crianças sem deixá-las errar em formas problemáticas de agressão e egoísmo.

Educar um garoto forte é diferente de criar um valentão egoísta - Papo de Pai

Positivo é criar uma criança que demora a recuar. É ruim criar um garoto que se sente compelido a se alinhar com os colegas ou competir constantemente. Em uma cultura profundamente competitiva, ensinar uma criança a enfrentar o confronto, mas não procurá-lo, é uma tarefa difícil. Eis o que os pais que criam filhos fortes e seguros de si podem fazer:

Conversar com seus filhos sobre morte

Educar um garoto forte é diferente de criar um valentão egoísta - Papo de Pai

Na maioria das vezes, o primeiro contato que os filhos terão com a mortalidade provavelmente ocorrerá quando o animal de estimação da família morrer. Embora as crianças pequenas não entendam a permanência da morte ou o que significa morrer, a experiência de conversar com elas é uma parte fundamental do ensino da força e resiliência internas dos filhos. 

Beresin diz que os pais que desejam criar filhos fortes podem e devem ficar visivelmente tristes com a situação, mas não ficar debilitados com o sofrimento. Esse momento de ensino, no qual os pais devem passar pelo processo de luto com os filhos, lamentar a perda do animal de estimação e modelar a força emocional sem se retirar completamente ou sentir frio por causa disso é fundamental

 Suportar tarefas físicas sem reclamar

Educar um garoto forte é diferente de criar um valentão egoísta - Papo de Pai

Ser adulto geralmente significa fazer muita coisa. Seja algo como varrer o quintal, limpar profundamente a geladeira ou seu carro, tudo isso vem com a idade adulta e com o a tarefa de ser pai.  Quem ensina força aos filhos tende a realizar essas tarefas sem queixas constantes e sem acusar dor na coluna, diz Beresin. Isso significa que, quando fazem o trabalho, descansam, vão para a cama na noite anterior, preparam-se vocalmente para as tarefas e, quando terminam, dizem que têm orgulho de si mesmos.

 Falar sobre problemas de trabalho

Educar um garoto forte é diferente de criar um valentão egoísta - Papo de Pai

O estresse no trabalho chega a todos nós, eventualmente, e por isso é importante que os pais sintam que podem reclamar com o cônjuge sobre o trabalho em casa. Mas o que os pais precisam lembrar é que seus filhos costumam ouvir. Portanto, os pais que mantêm a cabeça conversam sobre o que os está incomodando e elaboram um plano de ação significativo, além de falar sobre seus pontos fortes como funcionário e pessoa. 

Ensinar as crianças a serem honestas e atenciosas sobre suas situações no trabalho e na vida irá ajudá-las a serem auto-reflexivas e a saber quem são. Adultos que fazem isso criam filhos fortes. Se que querem criar filhos que sabem que o que acontece com eles no trabalho geralmente está fora de controle e, portanto, têm um forte senso de si mesmos, tentam manter a calma diante do trabalho difícil.

Promover exercícios físicos

Educar um garoto forte é diferente de criar um valentão egoísta - Papo de Pai

Crianças fortes são os que possuem preparo mental e físico. Os que promovem o bem estar corporal de seus filhos se envolvem em atividades que promovem a própria saúde física. Mesmo depois de um longo dia de atividades, os pais devem ter certeza de que ainda atingem os 8 quilômetros de corrida de que falaram ou vão à academia mais cedo, e também devem conversar com os filhos sobre isso. 

Enquanto crianças que não precisam levantar pesos, e nem sair com nenhum troféu, brincar de pegar ou correr é uma ótima maneira de passar tempo com as crianças de uma maneira que priorize sua saúde física.

Brincar de super-herói, com trama completa e assobios

Educar um garoto forte é diferente de criar um valentão egoísta - Papo de Pai

Quase todos os babões brincam de super-herói com os filhos deles. Babões que brincam e são críticos sobre o assunto encenam situações que exigem força. 

Ao interpretar super-heróis, os pais que querem modelar a força de seus filhos podem ajudá-los a criar uma história de origem e, como toda história de origem de heróis envolve a superação de dificuldades por meio da honestidade emocional, isso pode ajudar as crianças a entender essa vulnerabilidade emocional, bem como a força física pode gerar uma boa pessoa. 

Os pais devem saber que uma brincadeira de super-heróis também oferece muitas oportunidades para exercícios físicos reais, ainda que seja correndo por um campo de futebol enquanto está fingindo que voa, isso durante uma luta de super-heróis, claro. Eles também devem ser criativos com o enredo: talvez o super-herói tenha cometido um erro e precise se desculpar. Talvez eles tenham um momento emocional com o companheiro.

 

Ler conteúdo completo
Indicados para você