[ editar artigo]

Estudo aponta: crianças têm melhor desempenho se viverem com o Pai biológico

Algumas das consequências negativas sobre o bem-estar de uma criança nascida de uma Mãe solteira podem ser reduzidas se seu Pai biológico se junta e permanece com a família. Ao menos foi o que concluiu um estudo realizado por pesquisadores da LSE (London School of Economics).

No entanto, se o Pai biológico se afasta ou um padrasto assume seu lugar na família, essas crianças, em média, são mais afetadas cognitiva, social e emocionalmente do que as crianças cujas Mães permanecem sozinhas.

A pesquisa, publicada no European Journal of Population, mostra que as crianças cujos Pais permanecem na unidade familiar melhoram nos testes cognitivos e sofrem menos ansiedade e depressão, quando medidas aos sete anos de idade.

"Nós olhamos especificamente para as crianças cujos Pais não estavam vivendo juntos com suas Mães quando nasceram, em vez de os filhos de todos os Pais solteiros. Isso representa 16% das crianças nascidas no Reino Unido e, como uma proporção, isso está aumentando", é o que afirma o Dr. Berkay Özcan, Professor assistente do Departamento de Política Social da LSE e co-autor do estudo.

"A pesquisa é a primeira a distinguir entre as diferentes trajetórias familiares que essas crianças experimentam. Ela mostra a importante influência positiva que um Pai biológico pode ter sobre a vida de seu filho quando se junta e permanece com a unidade familiar. A chegada de um padrasto - neste contexto particular - não tem um impacto semelhante", acrescenta o Dr. Özcan.

Estudo aponta crianças têm melhor desempenho se viverem com o Pai biológico - papodepai.com

De acordo com os pesquisadores, as dificuldades que muitas crianças enfrentam ao se adaptarem a um padrasto podem ser compensadas pelos os benefícios que ele pode trazer, como recursos extras e figura paterna.

"Tem havido muita preocupação com o bem-estar das crianças nascidas de Mães separadas. No entanto, nossa pesquisa mostra que alguns que vivem em arranjos familiares particulares estão fazendo melhor do que pensávamos anteriormente. Talvez sem surpresa, as crianças que experimentam mais estabilidade em casa - mesmo quando a Mãe continua morando sozinha - se beneficiam cognitiva, social e emocionalmente".

"Nossa pesquisa não pretende encorajar as pessoas a viverem em condições de vida pouco saudáveis ​​porque têm um filho juntos, mas podem ajudar a identificar quais as crianças que precisam de mais ajuda nos seus primeiros anos".

Informações adicionais

 

Os pesquisadores compararam o bem-estar de crianças com sete anos de idade que tinham nascido de Mães solteiras (que não são casadas ou não vivem com o Pai de seus filhos no momento do nascimento) e seguiram um dos quatro "caminhos familiares" abaixo:

1 - Crianças que viveram continuamente com uma Mãe solteira até a idade de sete anos;

2 - Crianças que experimentaram o seu Pai biológico se mudar para a mesma casa e formar uma união estável com a Mãe;

3 - Crianças que experimentam o seu Pai biológico se mudar para a mesma casa, formar uma união estável com a Mãe e depois se separar dela;

4 - Crianças cujas Mães formaram uma união estável com um padrasto.

Você pode ver a íntegra do estudo "trajetórias familiares e bem-estar de crianças nascidas de Mães solteiras no Reino Unido" neste link.

[adinserter block="1"]

[adinserter block="3"]

 

TAGS

Estudos

Ler conteúdo completo
Indicados para você