8 minutos de leitura

Os sinais do autismo infantil podem ser observados logo nos primeiros meses de vida da criança.

Guia de Pai

Isso por conta dos marcos de desenvolvimento infantil, que são etapas esperadas que a criança vivencie, aprenda e desenvolva. Tais marcos são estudados e definidos por especialistas em desenvolvimento infantil.

É importante lembrar que cada criança se desenvolve em determinado ritmo, e possui maneiras diferentes de aprender, por isso não é preciso acelerar nenhuma etapa de descobrimento e aprendizado. Ah, e quando a criança apresenta atraso no desenvolvimento, não quer dizer que ela tenha autismo, ok?

O que a família pode observar são sinais típicos do autismo na infância, que atingem principalmente o desenvolvimento social e também da comunicação

Nesse texto vamos falar mais sobre os sinais do autismo na infância, e o que fazer para ajudar a criança a se desenvolver com saúde e bem estar. 

Autismo infantil

Nesse texto usamos o termo autismo infantil para facilitar e acolher a busca das famílias, que digitam esse termo nas pesquisas. 

Entretanto, é importante salientar que a nomenclatura autismo infantil não existe mais e, de acordo com a CID 11 (Classificação Internacional de Doenças – 11a revisão), documento organizado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), o termo correto a se referir é Transtorno do Espectro Autista, que pode variar em graus de acordo com a necessidade de suporte da criança. 

Assim, o diagnóstico pode ser de:

  • Nível 1 – Leve:

6A02.0 TEA sem Deficiência Intelectual (DI) e com leve ou nenhum prejuízo de linguagem funcional

6A02.1: TEA com DI e com leve ou nenhum prejuízo de linguagem funcional

  • Nível 2 – Moderado: –

6A02.4: TEA sem DI e com ausência de linguagem funcional

6A02.5: TEA com DI e com ausência de linguagem funcional

  • Nível 3 – Severo:

6A02.4: TEA sem DI e com ausência de linguagem funcional

6A02.5: TEA com DI e com ausência de linguagem funcional

Essa divisão, também conhecida como graus de autismo, é uma forma que a comunidade médica e profissional de saúde utilizam para descrever simplificadamente o diagnóstico para as famílias. 

Quais os sinais do autismo infantil?

O Transtorno do Espectro Autista pode ser diagnosticado ainda nos primeiros meses de vida. Isso porque, de acordo com os marcos do desenvolvimento, existem ações que o pequeno ainda desempenha nos primeiros anos de vida, principalmente quando envolve a comunicação e a interação com outras pessoas ao redor. 

Entretanto, nem todas as crianças vão apresentar sinais visíveis logo nos primeiros anos, e isso pode variar de acordo com vários fatores como:

  • Graus de autismo;
  • Ambiente que a criança está inserida;
  • Fatores genéticos; 
  • Entre outros. 

As causas do autismo podem variar, mas é sempre importante observar os sinais de desenvolvimento da criança, pois assim, com um diagnóstico precoce, é possível iniciar as intervenções necessárias o quanto antes. 

Autismo em bebês

O autismo infantil em bebês pode ser observado a partir de atraso no desenvolvimento de acordo com os marcos, ou não. Pode ser que o bebê se desenvolva na idade esperada, como sentar, engatinhar e andar, mas a pessoa cuidadora pode observar um desenvolvimento atípico na comunicação, seja ela por gestos ou falada.

Por exemplo, é possível observar os sinais durante os 12 a 24 meses de vida, principalmente quando:

  • Bebê não reage a nenhum som – é esperado que o bebê olhe em direção ao som, seja ao chamado da pessoa cuidadora, de algum brinquedo ou até mesmo o barulho de algo caindo no chão. A reação esperada é que ele volte a atenção em direção ao barulho;
  • Bebê não emite nenhum som –  a importância do som vindo dos bebês é justamente apresentar algum tipo de interação com as pessoas cuidadoras, seja por gemidos e balbucios, o bebê tende a reproduzir sons quando deseja alguma coisa, por exemplo, emitir um “ma” e “ba” quando algum familiar está próximo. O bebê com TEA também não chora, o que já é esperado logo nos primeiros dias de vida. 
  • Bebê não tem, ou não imita as expressões faciais – é esperado que bebê já consiga sorrir aos 2 meses de vida, ele já reproduz a expressão facial quando reconhece a pessoa cuidadora, ou até mesmo quando se encanta com alguma situação; e eles sorriem principalmente quando estão próximos da pessoa cuidadora, indicando que a expressão facial é direcionada a ela. Além disso, é comum que os bebês coloquem a língua pra fora, bocejem, arregalem os olhos para imitar a expressão facial de alguém. 
  • Bebê não responde quando é chamado – ao chamar pelo nome, o bebê já consegue virar em direção do som para se comunicar, indicando que já entendeu que o nome pertence a si. 

Anos iniciais

Quando a criança passa pela fase da primeira infância, ou seja, seus anos iniciais, é natural que ela comece a interagir com o mundo ao redor, principalmente com as pessoas do núcleo familiar, e isso interfere, por exemplo, não só entre a relação de uma conversa ou interação durante uma brincadeira, mas sim com todo o entorno da família como: rotinas, alimentação, ambiente, etc.

Para a criança autista, é fundamental oferecer previsibilidade, por isso, é muito comum que pessoas autistas se irritem quando algum compromisso surge de uma hora para a outra. A irritabilidade causada pela falta de rotina e previsibilidade é um dos sinais do autismo infantil

E essas mudanças podem ser imperceptíveis para a pessoa cuidadora, mas faz toda diferença para a criança no espectro. Muitas vezes, não é apenas um compromisso novo na agenda que causará estresse, uma mudança no ambiente também pode incomodar, como trocar o lençol da cama, ou mudar a marca do achocolatado, por exemplo. 

Outros sinais de autismo infantil são:

  • Pouco contato visual;
  • Dificuldade na comunicação e  de se expressar (sentimentos, ideias, gostos, etc);
  • Não responder o próprio nome quando for chamado;
  • Comportamentos repetitivos; 
  • Maior sensibilidade ao ambiente, principalmente com sons, cheiros, luzes, etc;

Outros sinais também podem ser observados na interação social, onde a criança tem dificuldade em se envolver na brincadeira de outras crianças, e prefere brincar sozinho, ou até mesmo não responde um sorriso quando alguém lhe sorri, e evita qualquer contato visual (não olha nos olhos).

Na comunicação, a criança pode apresentar sinais tanto na ausência da fala, quanto no excesso da fala e, muitas vezes, ao falar demais, a criança não apresenta uma linguagem funcional, ela apenas balbucia ou repete uma frase de ação que está acostumada. Outro ponto importante a salientar na comunicação, é que a pessoa no espectro tem dificuldade de entender piadas, ironias e mentiras. 

E quando falamos de sinais comportamentais, podemos observar que no autismo infantil, a criança pode parecer mais agitada do que o normal, além de ter comportamentos repetitivos, como sacudir as mãos, os pés, bater palma, etc. É muito comum também que a criança com TEA tenha um hiperfoco, e goste de algo muito específico, como um personagem de desenho animado, uma cor específica, uma canção, etc. 

Quais são as terapias indicadas para o autismo infantil?

As terapias e intervenções para pessoas no espectro são fundamentais para proporcionar saúde, bem-estar e ainda promover o desenvolvimento de habilidades que são afetadas pelo TEA. 

É importante ressaltar que o autismo não é uma doença, e sim uma condição do neurodesenvolvimento e, por isso, não existe cura

É indicado que as intervenções em crianças autistas sejam feitas por uma equipe multidisciplinar, transdisciplinar e interdisciplinar, juntamente a uma orientação parental, para dar suporte às pessoas cuidadoras, com orientações e treinamentos para lidar com possíveis comportamentos desafiadores no cotidiano. Além de salientar a importância de manter o autocuidado e cuidar da saúde mental de quem cuida. 

As terapias mais indicadas para tratamento do autismo são aquelas cujas práticas são baseadas em evidências científicas. Isso significa que os pesquisadores forneceram um nível aceitável de pesquisa que mostra que a prática produz resultados positivos para crianças, jovens e ou adultos com TEA. 

Essas intervenções são feitas geralmente por profissionais da área de Terapia Ocupacional, Fonoaudiologia, Psicologia, Pedagogia, Educação Física, e muito mais. 

Uma intervenção até indicada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), é a Terapia da Análise do Comportamento Aplicada, a Terapia ABA, cujas intervenções têm como objetivo reduzir comportamentos desafiadores para a pessoa com TEA e ensinar habilidades essenciais para seu desenvolvimento.

A principal função das intervenções e terapias para autismo é auxiliar no desenvolvimento e crescimento de cada um. É muito importante que essas intervenções sejam adaptadas de acordo com a pessoa, por isso a jornada pode variar muito. 

Quando o acolhimento é feito de forma individualizada, toda pessoa pode crescer com sua independência e atingir todo o seu potencial.

Conteúdo originalmente postado em  Genial Care

Seja o primeiro a comentar!

Deixe um comentário

Nossos Parceiros