O Papo de Pai é a maior comunidade de pais do Brasil, cujo propósito é incentivar e fomentar a mudança de comportamento dos homens, pra que possam se tornar protagonistas na criação dos seus filhos

Nossas redes

Varíola dos macacos. O nome por si só é suficiente para colocar qualquer pessoa racional em pânico. É o tipo de doença que você não quer pegar apenas pelo nome, e agora que o governo dos EUA declarou uma emergência de saúde pública para a doença, é difícil não entrar em pânico. Mas calma! A declaração do […]

Varíola dos macacos. O nome por si só é suficiente para colocar qualquer pessoa racional em pânico. É o tipo de doença que você não quer pegar apenas pelo nome, e agora que o governo dos EUA declarou uma emergência de saúde pública para a doença, é difícil não entrar em pânico.

Mas calma! A declaração do governo não é para você – não exatamente. Há muito sobre essa doença que ainda não sabemos, mas o que fazemos não é exatamente indutor de pânico – especialmente não para os pais.

Em primeiro lugar, declarar uma emergência de saúde pública permite que o governo dedique mais fundos e recursos para controlar a propagação da varíola. O que isso não significa necessariamente é que você ou seus filhos correm alto risco de obtê-lo.

As pessoas responsáveis precisam se preocupar com a varíola dos macacos para que possam tomar medidas para impedir que ela se espalhe. Mas, além de tomar precauções de bom senso que você provavelmente já está tomando por causa do COVID – lavando as mãos com frequência e ficando longe de lugares lotados com muitos toques, como clubes – não há muito o que fazer neste momento.

Canais especiais

Canais especiais

Aqui estão 6 razões pelas quais você não precisa – e como você pode saber quando é hora de – se preocupar com a varíola dos macacos:

1. Poucas crianças testaram positivo até o momento

Crianças menores de 8 anos correm maior risco de doença grave se pegarem varíola, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC). No entanto, neste momento, eles provavelmente não terão varíola em primeiro lugar. Dos 7.102 casos detectados nos EUA até agora, lembrando que o país serve como referência de contágio pelo trânsito de pessoas, apenas cinco casos foram relatados em crianças e todos foram leves.

O contato sexual é responsável pela disseminação da varíola dos macacos em 95% dos casos. E cerca de 99% dos casos até agora foram em homens que fazem sexo com homens (embora possa saltar as redes sociais no futuro).

Dados da Nigéria, onde a varíola dos macacos existe há anos, mostram que as versões mais antigas do vírus eram mais propensas a infectar crianças, mas que cepas mais novas, como a que circula nos EUA, tendem a não, de acordo com a Time. Tudo isso significa que, agora, as crianças estão em grande parte protegidas da varíola dos macacos.

2. É menos contagioso do que muitos outros vírus

Em julho, a Organização Mundial da Saúde estimou que cada pessoa com varíola dos macacos afetará 1,29 outras pessoas em média. No mundo da epidemiologia, isso é muito baixo, explica Katelyn Jetelina, Ph.D., em seu boletim informativo Your Local Epidemiologist. Em comparação, as pessoas com varíola infectam 3,5 a 6 outras pessoas em média, e aquelas com Omicron infectam ainda mais. Em outras palavras, a varíola dos macacos não é tão boa em infectar pessoas.

3. Varíola é transmitida principalmente por contato próximo e prolongado

Há uma razão pela qual 95% da propagação da varíola dos macacos foi através da atividade sexual. Não é uma DST, mas leva um bom tempo para estar na bolha pessoal de outra pessoa para que a transmissão ocorra, e o sexo é a maneira mais comum de as pessoas fazerem isso.

A maioria das crianças não está tendo esse tipo de contato próximo com ninguém, exceto talvez com membros da família com quem eles se aconchegam.

Você já deve ter ouvido falar que a varíola dos macacos pode ser transmitida através de gotículas respiratórias ou que é transmitida pelo ar. Evidências preliminares apoiam isso. Esse tipo de transmissão pode ser possível se alguém tiver uma lesão de varíola na boca e tiver uma longa conversa com outra pessoa. Mas as evidências mostram que este não é o principal modo de transmissão, e a boca não é a área mais comum do corpo para uma lesão.

Semelhante ao COVID, você pode teoricamente pegar varíola tocando uma superfície que alguém com a doença tocou. No entanto, esse método de transmissão, chamado de transmissão por fômite, é incomum.

“A pessoa comum não corre risco de roupas compradas em lojas, por exemplo, ou de uma interação fugaz com uma pessoa infectada, como alguns posts de mídia social sugeriram”, segundo o New York Times.

E acredita-se que apenas as pessoas com sintomas transmitam a varíola dos macacos, e muitas dessas pessoas estarão se isolando em casa (embora isso nem sempre seja o caso, porque algumas pessoas podem confundir os inchaços com algo diferente da varíola).

4. Seu filho provavelmente não pegará varíola na escola

O contato próximo e prolongado não acontece realmente nas escolas. Na Nigéria, por exemplo, onde a varíola já existe há algum tempo, os surtos geralmente não ocorrem na sala de aula. 

A maioria das crianças que pegam varíola dos macacos a contraem através de contatos domésticos e não na escola. E isso é bom, porque você não pode controlar o que seu filho faz na escola, mas pode controlar sua própria exposição potencial à varíola. Ao limitar o seu risco, você limita o do seu filho.

5. A varíola não é uma nova ameaça como a COVID

A COVID-19 é uma doença nova. Parte do motivo pelo qual combatê-la é tão difícil – e por que se tornou uma pandemia global que teve grandes impactos nas famílias nos últimos anos – é que não sabíamos nada sobre isso antes de aparecer em 2020. Não sabíamos. sabemos como se espalhou, não sabíamos como nos proteger e não tínhamos vacinas nem tratamento.

E embora não saibamos tudo sobre a varíola dos macacos, ela é conhecida desde 1970, principalmente confinada à África Ocidental e Central. Os cientistas estudam a doença e temos muito conhecimento sobre isso nessa luta – e vacinas e tratamentos prontos, mesmo que ainda não estejam amplamente disponíveis.

6. Quando é hora de realmente se preocupar, seu estado lhe dirá

Alguns estados têm um número de casos muito maior do que outros. Por exemplo, a Califórnia detectou 826 casos, enquanto a Virgínia Ocidental registrou 3. O mesmo vale para nós brasileiros. Para obter informações sobre o risco de varíola em seu estado, consulte as autoridades de saúde locais. Eles informarão se e quando você precisar aumentar suas precauções.

 

 

Nossos parceiros