[ editar artigo]

Falar ou não falar com os filhos sobre o divórcio?

Falar ou não falar com os filhos sobre o divórcio?

Do meu ponto de vista, sim, sempre. Mesmo para as crianças que ainda não andam. É isso que entende a psicanalista infantil François Dolto, com quem concordo.

A criança precisa é ser colocada a par de decisão, desde o início do processo de separação (processo aqui, não é processo judicial, me refiro ao processo enquanto situação de vida com a qual a família precisará lidar)

E merece que se explique a ela que foram tomadas decisões que a afetarão, que algumas coisas vão mudar por isso, que já está sendo difícil (se estiver), mas que será o melhor para todos. 


Um parêntese: Segundo François Dolto a informação inicial do divórcio deve preferencialmente ser dada aos filhos pelos pais em conjunto, numa relação triangular pai, mãe e filho e não numa relação dual, pai-filho ou mãe-filho. (fecha parêntese)

Há mais. Quando devir uma decisão judicial pode ser importante que a criança seja informada dessa decisão. 

Aqui é possível usar a decisão judicial como forma de deixar claro para a criança que algumas coisas mudaram, que vocês não dividirão mais a mesma casa, que ambos, pai e mãe poderão arrumar outros parceiros, mas que ambos, pai e mãe, não estão liberados dos deveres relacionados aos filhos.

E porque afinal de contas tudo isso é necessário? 

Estudos apontam que apenas 7% da nossa comunicação é verbal, todo o resto é não verbal. 


Disso decorre que os filhos em meio ao divórcio percebem que há algo "errado" no ar e quando nada é explicado, como é natural, eles tendem a fantasiar e por conseguinte se angustiar, tanto mais quanto menos lhes é explicado.

Falar com o filho sobre o divórcio, portanto, acalma, dá segurança, pode ser uma forma de ensinar que existem coisas com as quais, apesar de dolorosas teremos que lidar e resolver da melhor maneira possível.

Mas perceba, falar sobre é muito diferente de falar sobre os porquês. 

Entre outras coisas, cuide para não deixar escapar que papai e mamãe não se amam mais e por isso decidiram se separar. Criança não entende a diferença e amor conjugal e amor parental. Para ela se mamãe deixa de amar papai e papai deixa de amar mamãe, é pressuposto "lógico" que ambos podem deixar de amá-la.

Além disso, não use eventual decisão judicial como forma de mostrar-se com mais razão ou superior, fazer isso ao contrário, ao invés de aliviar a angústia e a dor, gera ainda mais sofrimento para os filhos, qualquer que seja a idade, E além disso, pode ser caracterizado como prática de ATO DE ALIENAÇÃO PARENTAL.


Perceba. Nem sempre será necessário dizer o porquê do divórcio, tampouco será relevante, especialmente para crianças pequenas. Importa mais que a criança saiba que existe algo acontecendo sim, que os pais "estão no controle" e que divórcio embora doloroso é algo natural.

Divorcio precisa ser encarado primeiro como, apesar de muitíssimo desafiador e doloroso, uma oportunidade de aprendizado e segundo como uma oportunidade de ensinamento e é essa consciência em ação que muda a vida. 

Do meu ponto de vista, não há como pensar em acabar com a alienação parental se não cuidamos do modo como cada um de nós se porta diante da vida. Agir de modo consciente, ao invés de reagir ao que nos acontece sempre é necessário e parte da mudança que queremos ver no mundo.

Lembremos que filhos aprendem com as nossas ações. Se agimos diante do divórcio como se estivéssemos empurrando sujeira para debaixo do tapete é assim que eles lidarão com as próprias questões no futuro.

termine esse post com uma provocação. E você tem agido ou reagido diante dos conflitos familiares com os quais se depara?

Se fizer sentido pra você, compartilha esse post nas suas redes sociais

Papo de Pai
Lelyan Guimarães Amancio
Lelyan Guimarães Amancio Seguir

Lelyan Guimarães Amancio é advogada desde 2012, ativista pela aplicação da verdadeira guarda compartilhada, pela Igualdade parental, e contra a alienação parental.

Ler conteúdo completo
Indicados para você